Gárgulas. Fonte: Disney
Gárgulas. Fonte: Disney

Nos últimos anos, a Disney costumava manter qualquer coisa controvérsia fora de sua programação animada. Os programas mais antigos, com cenas consideradas problemáticas para os telespectadores mais jovens, foram editados ou censurados para torná-los mais alinhados com a estética familiar da empresa.

No entanto, a versão de Gárgulas (Gargoyles nos EUA) disponível na Disney+ prova que a casa do Mickey está disposta a voltar com a animação original da série, mesmo que ela tenha sido alterada anteriormente por eles.

Gárgulas era conhecida por ser mais ousada do que os shows da empresa na época e destinava-se a um público mais velho. Assim, houve alguns momentos em que a Disney julgou a animação inapropriada para o público. Até o lançamento do Disney +, as versões de Gárgulas que foram ao ar na TV foram editadas ou censuradas para torná-las menos perturbadoras para as crianças mais jovens.

Algumas dessas mudanças foram relativamente pequenas, como cortar a câmera do momento do impacto nas cenas de luta, principalmente quando as personagens femininas foram atingidas. Outros tornaram-se infames. O mais notável deles é o episódio Deadly Force, que foi pensado para ser banido pela Disney por ser muito controverso. No episódio, o gárgula Broadway pega uma arma, sem saber o seu poder, e atira na amiga e parceira policial dos Gárgulas, Elisa Maza. Elisa é retratada em uma poça de seu próprio sangue no episódio.

Embora Gárgulas tenha sido mostrado em seu estado editado por muitos anos, alguns fãs no Twitter apontaram que o Disney + está oferecendo a versão original completa da animação. Todos os episódios estavam presentes no estado em que foram ao ar pela televisão há mais de 20 anos, incluindo Deadly Force. O tópico ajudou a chamar a atenção para #KeepBingingGargoyles, uma hashtag iniciada pelo criador da série Greg Weisman, a fim de influenciar a Disney a renovar o programa.

Enquanto o Disney + tem todo um conteúdo com novas edições, Gárgulas mostra que a Disney está ocasionalmente disposta a apresentar uma série exatamente como a equipe criativa originalmente pretendia, mesmo que o cenário tenha mudado desde o lançamento.

Isto também deve entrar na função do Disney+ que irá avisar quando o conteúdo apresentar “representações culturais ultrapassadas”. Esta solução procura precisamente manter o material original, livre de alterações, mas sem deixar de informar o espectador, que pode sentir-se incomodado com eventuais comentários retrógrados e porventura ofensivos.