Jeremy Renner como Clint Barton, o Gavião Arqueiro em Capitão América; Guerra Civil (Fonte: Reprodução)
Jeremy Renner como Clint Barton, o Gavião Arqueiro em Capitão América; Guerra Civil (Fonte: Reprodução)

A Disney+ será lançada em menos de um mês. E a Disney está gastando US$ 1 bilhão apenas em programação original. Embora a maior parte desse orçamento vá para novas histórias em franquias conhecidas e estabelecidas. E parece que Hawkeye (supreendemente) será a série mais cara da Marvel Studios, pois apresentará oito episódios. As outras séries estão estabelecidas em seis episódios.

O presidente e CEO da The Walt Disney Company, Bob Iger, está otimista quanto ao seu potencial à medida que as guerras de streaming esquentam. Aqui está o que Iger disse sobre The Mandalorian para o The Hollywood Reporter:

“Não há nada comparável no ar. Se você vai fazer uma série live-action de Star Wars, é esse o caminho”.

Mas a série Star Wars representará apenas uma fração relativamente pequena do empreendimento de US$ 1 bilhão em produções originais. O THR relata que há rumores de que The Mandalorian custará US$ 15 milhões por episódio; em oito episódios (até agora), soma então US$ 120 milhões.

Mas as séries Marvel, como The Falcon and the Winter Soldier, WandaVision e Hawkeye chegam a US$ 25 milhões por episódio, totalizando US$ 500 milhões. No entanto, como apenas a série do Gavião Arqueiro custará US$ 200 milhões é uma incógnita.

Isso é bastante caro para a TV. Embora a Disney+ já tenha divulgado orçamentos do tamanho de filmes para seus programas. Mas há um custo oculto. A Disney está comprando o back-end em todas as suas produções originais, semelhante ao modelo da Netflix.

Essencialmente, isso significa que eles oferecerão aos criativos (e possivelmente aos membros principais do elenco) mais dinheiro antecipadamente, a fim de garantir ganhos futuros. Ofertas de back-end para grandes sitcoms no passado, como Seinfeld, continuam pagando dividendos até agora; não é assim no futuro dos streamings como Netflix e Disney+. Isso explica alguns dos orçamentos fortes.

Os US$ 380 milhões restantes da programação original vão para títulos como Encore, de Kristen Bell, e os próximos títulos live-action, como a história de Natal Noelle e o remake do clássico A Dama e o Vagabundo.