Fuller House (Fonte: Reprodução)
Fuller House (Fonte: Reprodução)

A atriz Lori Loughlin, de Fuller House e Três É Demais, e seu marido, o designer Mossimo Giannulli, foram indiciados por conspirar para cometer suborno de programas federais nesta terça-feira (22), em conexão com as alegações de que pagaram US$ 500.000 para levar suas filhas para a Universidade de Southern Caroline.

Loughlin e Giannulli já foram acusados de conspiração para cometer fraude postal e lavagem de dinheiro. Na terça-feira, um grande júri federal retornou uma acusação contra 11 réus, incluindo Loughlin e Giannulli, acrescentando uma nova acusação alegando que eles também subornaram sua entrada na USC usando currículos atléticos fraudulentos.

Os réus foram acusados sob um estatuto federal que torna ilegal cometer suborno em conexão com um programa que recebe fundos federais, o que a USC faz. Todos os 11 réus já se declararam inocentes.

“As acusações de hoje são o resultado de uma investigação em andamento no caso nacional de admissões de faculdades”, disse Andrew Lelling, advogado dos EUA em Boston. “Nosso objetivo desde o início foi responsabilizar os acusados por corromper o processo de admissão na faculdade por meio de trapaça, suborno e fraude. As acusações substitutivas promoverão esse esforço”.

O júri também retornou uma acusação substituta contra sete oficiais atléticos da universidade.

A acusação de suborno acarreta uma sentença máxima potencial de 10 anos de prisão. Embora seja improvável que algum dos réus enfrente uma sentença próxima a ela. Os pais que se declararam culpados até agora foram condenados a penas que variam de liberdade condicional a cinco meses de prisão.

A também atriz Felicity Huffman está cumprindo uma sentença de duas semanas no Federal Correctional Institution em Dublin, Califórnia, uma instalação de segurança mínima, pela mesma acusação.