Essas pérolas estão escondidas na Netflix... Mas nós achamos para você! (Fonte: Reprodução)
Essas pérolas estão escondidas na Netflix... Mas nós achamos para você! (Fonte: Reprodução)

É difícil acreditar que foi há apenas seis anos que Neftlix encomendou seu primeiro conteúdo original, o thriller político House of Cards. Na época, foi uma jogada ousada e audaciosa. Parecia quase intrigante o fato de nomes tão grandes como Kevin Spacey e Robin Wright estarem dispostos a estrelar uma série que ficaria disponível online.

Agora, porém, todas as estrelas de Hollywood sabem que podem encontrar um material diferente dos grandes blockbusters para trabalhar em séries de streaming. E dificilmente outro serviço conseguirá se sobressair ao conteúdo original da pioneira Netflix.

Sendo a que mais trouxe novidades próprias, e a que mais continua trazendo, é claro que muitas pérolas acabam por se perder no barulho. Todo mês, um ou dois originais da Netflix acabam tomando conta do Trending Topics do Twitter. Mas e aqueles que não chegaram lá?

Para garantir que sua nova série favorita não se perca na matriz de algoritmos, separamos alguns dos melhores e mais subestimados originais da Netflix na lista que você pode conferir abaixo:

Easy

Easy

O estilo desafiadoramente não dramático de Joe Swanberg não é para todos. Mas certamente você encontrará muito o que admirar nesta série antológica de comédia-drama. Estrelas de grandes nomes como Orlando Bloom, Zazie Beetz e Aubrey Plaza fazem parte do show. Mas Jane Adams, que você pode se lembrar do deprimente filme Felicidade, de Todd Solondz em 1998, é o coração do programa. E Marc Maron é sua alma cansada.

Easy é perfeita para quem quer um humor mais ácido.

Love

A estrela de Community, Gillian Jacobs, é brilhante como a viciado em recuperação Mickey, que forma um relacionamento improvável (e sem dúvida profundamente imprudente) com seu vizinho nerd Gus (Paul Rust). Apesar da necessidade patológica de Gus de ser o cara legal, nunca temos certeza de para quem (ou para o quê) estamos torcendo. E é isso que torna a série tão complexa e atraente.

Love irá agradar quem quer ver um romance com uma visão mais madura.

Turismo Macabro

O jornalista neozelandês David Farrier é um improvável apresentador de TV da mesma forma que Louis Theroux (em quase todos os cenários em que ele se encontra) é um pouco estranho. Mas, como em Theroux, a fraqueza de Farrier é na verdade sua força, permitindo que ele se preze pelas muitas pessoas incomuns que encontra em sua jornada pelos destinos turísticos mais questionáveis do mundo. As paradas de Farrier incluem o local do desastre nuclear de Fukushima, a estrada onde o JFK foi assassinado e os subúrbios de Milwaukee, onde o serial killer Jeffrey Dahmer matou suas vítimas.

Turismo Macabro é para aqueles que não cansam de aprender História e quer conhecer até os detalhes mais chocantes.

Sacred Games

Baseado no épico romance de Vikram Chandra de 2006, a primeira série original indiana da Netflix é uma peróla que se desdobra lentamente. A primeira temporada da série segue um policial problemático (Saif Ali Khan) que tem 25 dias para salvar sua cidade graças a uma denúncia de um suposto gângster morto. E isso cobriu apenas um quarto do romance de 1.000 páginas de Chandra. Como o próprio programa declarou quando anunciou a próxima segunda temporada, “o pior ainda está por vir”.

Sacred Games é para os que buscam um thriller policial, cheio de enigmas e ação.

Atypical

Essa série de amadurecimento sobre um adolescente autista é doce e bem-intencionada desde o início. Mas sua primeira temporada foi criticada por um punhado de imprecisões e por sua falta de atores autistas. Ao invés de se afogar em um mar de defensas (como muitos shows costumam fazer), ela ouviu e trouxe atores e escritores autistas para sua excelente segunda temporada.

Atypical é para aqueles que procuram explorar as dificuldades da adolescência para aqueles que terão mais do que apenas as conturbações típicas do período.

Dark

Este thriller de ficção científica (que apresenta crianças desaparecidas, uma misteriosa usina local e cenas dos anos 80), por razões óbvias, trouxe diversas comparações com Stranger Things. Mas Dark é ainda mais sedutor e (fiel ao seu nome), sendo menos familiar do que a série dos Irmãos Duffer.

Dark é para os fãs de ficção científica, que buscam ver o gênero explorar com mais maturidade as questões humanas.

On My Block

Esta série sobre a maioridade pode não ter encontrado tantos olhares quanto merecia no ano passado. Mas os que encontrou ficaram vidrados na tela. Na verdade, foi o programa de maior bilheteria de 2018 (o que significa que ele teve a maior sessão de tempo de exibição por espectador de qualquer original da Netflix). Criado por Lauren Iungerich, de Awkward, os how segue um grupo de adolescentes de Los Angeles enquanto eles navegam no drama do ensino médio e no perigo da vida no centro da cidade.

On My Block é uma ótima série adolescente que aborda romance e amadurecimento junto com questões sociais.

Godless

A minissérie de faroeste foi aclamada pela crítica. Mas também foi rapidamente esquecida depois de chegar ao catálogo da Netflix em 2016. Situada em 1884, ela traz Frank Griffin (Jeff Daniels) e sua notória e cruel gangue de criminosos foragidos pela perseguição de seus ex-aliado Roy Goode (Jack O’Connell), que está escondido em uma pequena cidade povoada apenas por mulheres após um acidente de mineração que matou todos os seus homens. Michelle Dockery claramente apreciou a mudança de cenário após anos de Downton Abbey. E junto de um taciturno Jack O’Connell, mostra uma interpretação brilhante.

Godless é para os fãs de faroeste e projetos de época no geral, trazendo um belíssimo drama sombrio para o catálogo do streaming.