Ian Somehalder fala sobre Apocalipse V (Fonte:Reprodução)
Ian Somehalder fala sobre Apocalipse V (Fonte:Reprodução)

Protagonista de Apocalipse V, Ian Somehalder está voltando a trabalhar em um universo com Vampiros na nova produção original Netflix, que chegou ontem ao catálogo da empresa. Com uma temática um pouco diferente, onde um médico precisa lidar com um apocalipse que espalha o vírus que transforma os indivíduos em vampiros, o ator, em entrevista exclusiva, falou sobre o trabalho de produção.

Como de costume, Ian foi extremamente simpático ao conversar com o Observatório de Séries, sempre agradecendo a oportunidade de falar sobre a produção que ele se entregou de coração, a ponto de ir parar no hospital, e agora está empolgado em ver que finalmente estreou.

Apocalipse V faz analogia ao que estamos causando no mundo, indo além da ficção vampiresca e tratando de questões sociais e ambientais. Questionado se essa era a principal motivação do ator para participar da série, ele comenta “Sim, essa é uma pergunta muito interessante. Foi sim algo que pesou muito para mim quando estava pensando se pegaria o papel. O livro (de Jonathan Maberry) lida muito com sociedade, seja em relação à mudanças climáticas, racismo, política ou o medo de lidar com a política, como é colocado na sociedade, na psique da sociedade – essas são coisas importantes em nossa sociedade. Essas são questões que estamos sempre tendo que lidar e não é regional, é sistemático, está por todo o mundo. Então sim, foi uma parte importante na minha decisão pois achei uma oportunidade única e incrível de contar uma história onde o apelo é tão socialmente relevante, pois no final do dia, acho que é importante usar esse tipo de plataforma, esse tipo de mídia para ‘cutucar’, criar histórias que podem gerar conversas e debates internos ou com outras pessoas.”

Ian interpreta o Doutor Luther Swann, sobre a semelhança dele com o personagem, o ator afirmou “Olha, Luther Swann para mim é alguém que tem muitas coisas que eu gostaria de ter. Eu passei muito anos, oito anos, interpretando Damon Salvatore e foi muito divertido, pois ele é o tipo de personagem arrogante, sexy, perigoso. Ele é também meio que um cretino, mas as pessoas realmente gostam dele, porque ele é divertido e realmente gosta de si mesmo e por isso foi um papel muito divertido de interpretar. Uma das coisas que me empolga em Luther Swann é que esse cara é um homem realmente bom, é um cientista, algo que eu realmente queria interpretar e para mim é como se ele tivesse super poderes, sabe? Mas esses poderes não são como os de um vampiro, são por ele ser um ótimo pai, um ótimo cientista e um ótimo marido. Pois pra mim, ótimos pais, ótimos cientistas e ótimos maridos são super heróis, porque tudo que eles fazem refletem positivamente no ambiente e nós precisamos de mais pessoas assim no mundo. Como personagem, Luther Swann terá uma jornada muito intensa e ele terá a tarefa de salvar o mundo. Ele passou sua vida, sua carreira, estudando doenças e trabalhando com os melhores epidemiologistas no mundo e ele precisa fazer essa única coisa, que é salvar toda a humanidade de uma catastrófica epidemia. Ele é arrancado de sua família, do seu melhor amigo e forçado a seguir por um caminho bem sombrio”.

A trama fala muito sobre questões ambientais e os perigos de ser relapso com o meio ambiente. Ian acha que ter mais séries tratando sobre esses assuntos seriam importantes. “Eu sinto que é uma época muito importante para falar sobre esses assuntos. A série lida com temas tão revelantes socialmente e eu não sinto que estamos batendo na cabeça das pessoas com nosso ponto de vista. São situações que estão de fato acontecendo no mundo e é uma incrível oportunidade agora para contar essas histórias, pois acho que as pessoas estão prestando atenção. Uma das coisas que realmente queríamos fazer era ter certeza que a produção fosse bem fundamentada, a trama fosse bem fundamentada, as performances fossem bem fundamentadas, pois é importante criar uma confiança com o espectador, passar o que os atores estão sentindo na tela, é verdadeiro, eles devem sentir isso. Nós passamos onze meses no processo de pós produção em uma série com dez episódios, é bastante tempo, porque queríamos algo realmente especial e pedimos mais tempo para a Netflix para garantir isso, também para criar essas criaturas muito assustadoras e para criar o mundo onde teríamos esse protagonismo. Uma coisa muito interessante sobre a série é que, por ser uma doença, de onde você é, seu tipo de genética, determina que tipo de vampiro você irá se tornar. Um vampiro do Leste Europeu é diferente de um vampiro do Brasil e estávamos realmente empolgados, por causa do show ser tão global, em trazer os personagens de todos os cantos do mundo. Mal podemos esperar para criar um vampiro brasileiro f*dão! Essas pessoas tem um código genético único, marcas únicas que as possibilitam de se tornar um tipo único de vampiro, individual. Esse tipo de coisa é do tipo que te mantem acordado de noite, pois é tão fácil se aprofundar e imaginar, criar teorias, sabe?”

Foi um longo tempo de produção, mas, segundo o ator, a equipe está bem satisfeita com o resultado “Estamos muito orgulhosos com a nossa série. Trabalhamos muito pesado em Apocalipse V, nossa equipe de produção, meu parceiro de produção James Gibb, que está no telefone com a gente agora, nós demos tudo que tínhamos para a série. James e eu fomos parar no hospital, teve um período que não dormimos um dia antes das 3 ou 4 da manhã. Só para garantir um ótimo resultado com as performances e nuances da série, porque significava muito para nós. Sentimos que conquistamos algo incrível, que podemos ficar orgulhosos e sentimos que a primeira temporada é um grande adendo para o mundo. Sabe, as primeiras temporadas são complicadas, pois você ainda está achando o tom da série, o visual da produção, ainda está aprendendo muito e apenas colocando as peças juntas. No formato da televisão, temos uma jornada mais longa, são 18 ou 22 episódios. Nesse caso temos só 10, que é uma forma muito mais resumida de contar uma história. Queremos uma segunda temporada para se aprofundar, realmente criar essas tramas dinâmicas e esses incríveis personagens e se espalhar globalmente. Isso é o que é realmente empolgante para nós”.

Somehalder também respondeu se a Apocalipse V irá tratar abertamente dos problemas que estão acontecendo no planeta, tendo uma visão mais familiar. O ator afirmou que sim “A primeira temporada é apenas o começo da trama, nós definitivamente iremos lidar com problemas que estamos passando em nossa comunidade e nos nossos países. Nós temos que começar a prestar atenção em expor esses problemas, em contar essas histórias não apenas em nossas mentes ou nas comunidades que fazemos parte, mas para todos. A trama se passa em uma temática que todos gostamos, mas nos dá também a oportunidade de expor essas questões através de perspectivas únicas, essa é a beleza da série ser global, temos a oportunidade de contar essas histórias de um ponto de vista único, mas ainda global. Esse era nosso objetivo como produtores, isso é arte, criamos entretenimento mas ainda é incrivelmente informativo para o espectador. Nós somos criaturas sociais, conversamos, nos comunicamos, discutimos e nós queríamos fazer isso em uma escala maior, trazendo discussões a tona porque são assuntos muito importantes”.

Vampiros são queridos por todas as idades e essa temática pode ser uma boa maneira de agradar ao público, enquanto faz uma interessante crítica social. Quando questionado se esse era o objetivo da trama, Ian respondeu que “Vampire Diaries começou como um Young Adult por causa do romance e ser protagonizado por adolescentes, mas acabou expandindo a faixa etária. Era realmente grande, atingia de dez a sessenta anos. É uma faixa que começa em uma idade bem baixa e eu realmente espero que Apocalipse V tenha um alcance parecido, que atinga um público tão jovem, que reconheça que é uma história única. Na segunda temporada temos planos de colocar personagens mais jovens, não tão jovens como meu filho, mas não tão velhos como nos auge de seus 20 anos, nesse meio”.

Com o protagonista sendo um cientista e tento uma grande importância para o mundo, pode também influenciar um pouco sobre a visão da profissão e talvez criar um interesse maior do público nessa área. Questionado sobre essa possibilidade, Ian concordou com esse possível alcance. “Sim, existem muitas pessoas fazendo trabalhos importantes que não são notadas, por questões políticas que não precisamos nos aprofundar agora, mas sabemos que está acontecendo. As pessoas estão começando a abrir os olhos e procurar por mudanças e eu acho que esse protagonista pode dar o incentivo para as pessoas notarem o importante trabalho que as pessoas estão fazendo e entendam a vital importância disso. James e eu fizemos questão de contar a história de maneira que ressalte essa importância, mas sem forçar nosso ponto de vista no espectador. É um trabalho cientifico e é importante e é interessante que flua pela narrativa, sem forçar termos complicados nas pessoas, apenas mostrando orgulho desse trabalho.”

Muito foi falado sobre os planos para a segunda temporada da série, então perguntamos sobre quais informações já são oficiais sobre o futuro da produção. E Ian disse que “Tudo que posso te dizer é que essa história precisa ser contada e temos uma trama inacreditável para a segunda temporada, muito controversa, sexy, dinâmica, perigosa, onde você pode ver a gravidade de tudo que está acontecendo de várias perspectivas, não apenas uma. Vamos trabalhar muito pesado cada camada, há muitas camadas ali, que tornam até complicado responder as perguntas de cada personagem, pois quando se deparam com o problema, cada um pode reagir de maneira totalmente diferente e a principal pergunta de Apocalipse V é: ‘E se a coisa que você odeia hoje, você se transformasse amanhã?’. Essa é uma doença que vai se espalhar, e rapidamente, e o medo da contaminação aparece. Nós teremos que contar uma história ótima, mas antes temos que chegar até a segunda temporada. Por isso estamos tão felizes em conversar com você e pela ajuda em divulgar para seus leitores essa incrível história. Mal posso esperar para conversar novamente com vocês ano que vem.”

E para finalizar, James deixa uma promessa interessante: “Amamos o Brasil e torcemos para que a série faça sucesso aí, para talvez podermos fazer uma visita entre janeiro e fevereiro”. Ian completa: “Mal posso esperar para voltar para o Brasil!”