The Falcon and the Winter Soldier (Fonte: Reprodução)
The Falcon and the Winter Soldier (Fonte: Reprodução)

The Falcon and the Winter Soldier, a primeira série live-action da Marvel Studios na Disney+, será um dos maiores atrativos para o streaming da Disney convencer os espectadores do Universo Cinematográfico Marvel a pagar pelo serviço. Mas também é muito importante para o MCU, de várias maneiras. Primeiro e acima de tudo, será um dos maiores testes da popularidade continuada da Marvel em um mundo pós-Vingadores: Ultimato. Além disso, é uma chance das séries da Marvel mostrarem que realmente importam, como postula Kevin Feige.

Dado o fato de que as filmagens já começaram, enquanto as outras séries ainda nem oficializaram seus elencos principais, seu sucesso será essencial para que séries como Loki, WandaVision, Hawkeye, She-Hulk, Ms. Marvel, Moon Knight tenham reais chances de sucesso. Além disso, pode inspirar a oficialização de outros programas, como o possivelmente em desenvolvimento show da Coração de Ferro. Uma boa entrada pode inclusive convencer Robert Downey Jr. a participar do último.

Infelizmente, a aposta caminha em uma estrada de duas mãos. Uma altamente improvável falha da série pode colocar tudo a perder, possivelmente destruindo o próprio conceito de MCU na televisão. De muitas maneiras, isso reflete a pressão que inevitavelmente caiu em Homem de Ferro em 2008, quando foi dado o primeiro passo em direção ao que culminaria na Saga do Infinito.

Marvel Television

ABC

A primeira incursão da Marvel na televisão com o MCU (embora com a Marvel Television e não com a Marvel Studios) foi Agents of S.H.I.E.L.D., que surgiu dos eventos de Os Vingadores, prometendo trazer um verdadeiro crossover de mídias. A série foi seguida por Agent Carter, que teve uma vida curta. Embora as temporadas subsequentes de Agents of S.H.I.E.L.D. tenham conquistado telespectadores, a 1ª temporada pouco impressionou aqueles que viram o programa como um baixo esforço da Marvel.

A premissa da série, ou seja, o agente Coulson (Clark Gregg) estar vivo, também significava que seus eventos tinham que ser mantidos fora dos holofotes, por assim dizer. Eles não podiam agitar muito os eventos do MCU e, ao fazê-lo, criar eventos que os filmes (muito mais populares) teriam que construir para aqueles que somente iam ao cinema. Assim, o programa referenciou os filmes. Mas o contrário jamais aconteceu. Quem somente curtiu as telonas jamais suspeitou que Coulson estava vivo.

Netflix

A tentativa seguinte de trazer o MCU na televisão foram os programas sombrios da Marvel (Television, novamente) na Netflix, mais voltados para o público adulto, começando com Demolidor. Dada a natureza mais aterrada no nível urbano dessas personagens, Demolidor e e seus companheiros de Os Defensores (Jessica Jones, Luke Cage e Punho de Ferro) fazia sentido que eles se separassem do MCU, que se tornava cada vez mais cósmico e maior. A maior prova disso foi o spin-off O Justiceiro, que não fez parte do crossover televisivo e começou a criar um universo próprio na gigante do streaming.

Hulu

O mesmo vale para programas como Runaways e Cloak and Dagger. Ainda assim, para os fãs que desejam alguma conexão com os filmes e suas personagens, as referências vagas (como o grande cara verde) não foram suficientes. Isso sem falar no muito difamado programa de TV Inumanos, que não foi apenas irrelevante para todos os outros projetos do MCU, mas foi um dos menos bem recebidos. Contudo, esses problemas não devem afetar muito programas como The Falcon and the Winter Soldier.

Marvel Studios e suas estrelas do cinema

Sebastian Stan como Bucky Barnes, o Soldado Invernal e Anthony Mackie como Sam Wilson, o Falcão, em Capitão América: Guerra Civil (Fonte: Reprodução)

Diferente dos programas anteriores, que normalmente usam atores menos conhecidos para interpretar heróis também poucos conhecidos, The Falcon and the Winter Soldier trará Anthony Mackie e Sebastian Stan, estrelas dos filmes, para protagonizar o show. Isso não pode ter sido barato. Portanto, mostra o quanto a Marvel está disposta a colocar nesses programas da Disney+ para torná-los bem-sucedidos. Além disso, a produção desse e dos demais show estão sob a supervisão da Marvel Studios, finalmente.

E não apenas isso, mas o show também lidará com as consequências do destino de Steve Rogers (Chris Evans) em Vingadores: Ultimato. Como apontado anteriormente, isso já aconteceu antes. No entanto, shows como WandaVision, Loki e Hawkeye prometem serem essenciais para o cinema; WandaVision e Loki devem dar início para os filmes Doctor Strange in the Multiverse of Madness e Thor: Love and Thunder, respectivamente. Já Hawkeye promete introduzir Kate Bishop, que suspostamente continuará o legado de Gavião Arqueiro (Jeremy Renner, se despedindo do MCU) nas telonas.

A natureza nichada de Homem de Ferro na época de seu primeiro filme é um pouco refletida pelo status menos popular da Disney+ como serviço de streaming. Mesmo com o apoio da Disney e suas Pixar, Lucasfilm e Nat Geo, não há garantia de que o serviço possa competir com a gigante Netflix ou o futuro HBO Max. Se (e mais do que provável, quando) esse programa for bem-sucedido, o caminho estará aberto para não apenas introduzir mais personagens da Marvel através dos programas de televisão, mas também formar conexões ainda mais diretas entre os filmes e os programas. Dessa forma, o que acontece em um importaria no outro, em oposição ao status anterior onde somente os filmes influenciavam a TV. Assim, as séries se tornariam muito mais importantes. Se não igualmente importantes.