Netflix (Fonte: Reprodução)
Netflix (Fonte: Reprodução)

Decerto, os sistemas de streaming revolucionaram a maneira como consumimos o audiovisual. É claro que os pontos pelos quais os adoradores do streaming preferem seus serviços são inúmeros. A praticidade, o poder de escolha sobre os títulos e o momento no qual começará a assitir, a rapidez do acesso… De fato, tudo isso conta.

Contudo, um dos pontos que também influencia (e permitiu que o termo binge watching se popularizasse) é a ausência de propagandas. Certamente que não ser interrompido enquanto você consome um filme ou uma série é um privilégio. E a prova disso é um recente estudo sobre a possibilidade da Netflix aderir o uso de propagandas.

O estudo

A CNBC tem o desdobramento de um novo relatório da Hub Entertainment Research, que supostamente fez uma pesquisa inicial com 1.765 assinantes da Netflix (entre 16 e 74 anos), para ver como eles reagiriam à implementação de anúncios no serviço.

Assim, os resultados revelam que 23% dos assinantes supostamente indicaram que abandonariam totalmente o streaming se a implementação de propagandas fosse colocada em prática. Esse percentual equivale a cerca de 14 milhões dos atuais 60 milhões de assinantes pagos.

Contudo, a notícia não seria tão ruim para a Netflix. Decerto, uma maneira clara e decisiva para deter a perda de assinantes em um modelo baseado em anúncios seria simplesmente diminuir o preço da assinatura mensal. Apenas 14% dos assinantes deixariam uma Netflix com anúncios se o preço mensal fosse reduzido em 2 dólares. Já um desconto de 3 dólares faria com que somente 12% dos assinantes cancelassem a assinatura.

A Netflix quer colocar anúncios?

A Netflix sempre manteve a linha de que a plataforma não estava indo nessa direção. Na verdade, em 2015, o CEO Reed Hastings abordou a questão publicamente, dizendo: “Nosso conteúdo é a nossa joia da coroa. Cabe a nós aceitar o dinheiro dos assinantes e transformá-lo em um ótimo conteúdo para o benefício de exibição”.

No entanto, os assinantes começaram a ficar desconfiados quando o streaming começou a exibir visualizações de conteúdo direcionadas após os episódios ou filmes serem finalizados. Isso levou à especulação de que os anúncios estavam a caminho. Mas os analistas do setor previram que os anúncios acabariam sendo implementados principalmente devido ao fato de que eles renderiam bilhões em receita à Netflix.

“Um suporte para anúncios também poderia fornecer um impulso para o fluxo de caixa livre, reduzindo a necessidade de a Netflix aumentar a dívida com frequência, especialmente para além de 2021, em um ambiente potencialmente crescente”, escreveu o analista Mark Kelley, em nota aos clientes.

O futuro do streaming

Por enquanto, tudo isso é apenas especulação e projeção. Mas esse período de carência não durará muito mais. Este outono marcará o lançamento da Disney+, streaming da Disney, que deve se tornar rapidamente o maior concorrente da Netflix.

A aquisição da 20th Century Fox também deu para a Disney uma participação majoritária no Hulu, que é, sem dúvida, o grande concorrente atual da Netflix. Portanto, anúncios podem ser o modo como a empresa reagirá, se a Disney roubar uma parte importante do mercado.