Embora o Brasil seja mundialmente conhecido como um país que se entretém com novela e futebol, algo parece estar mudando. De acordo com uma pesquisa feita pelo Google, os interesse dos brasileiros por serviços de streaming aumentou em 90% entre 2014 e 2017, período no qual Netflix e afins começaram a se popularizar no país.

Confira aqui todos os dados levantados pela Cuponation.

Sobre aquela maratonada

Conforme os serviços de streaming foram se popularizando, o verbo maratonar ganhou um novo sentido por aqui. E o resultado daquele nosso “só mais um capítulo” já tem um saldo. De acordo com o ranking levantado pelo App Annie, companhia de análise do mercado mobile, o Brasil já é o 6º país que mais tempo gasta com streaming.

Resultado de imagem para maratonar series
Aquele momento após a maratona onde você percebe que só tem 3 horas pra dormir. (Fonte: Reprodução)

Quem gasta mais

Imagem relacionada
Rios de dinheiro. Estamos em 9º dentre os que mais gastam. (Fonte: Reprodução)

Embora nosso crescimento de 130% nesse período chame a atenção, são os populosos indianos que estão no pelotão da frente nessa maratona, com uma crescente de 185% em relação ao mesmo período estudado. Na sequência, vem a Coreia do Sul (+155%), e Austrália, Indonésia e Tailândia (+140%).

Facilitadores

Em contrapartida às inconveniências acima, o que alavanca esse interesse por celulares é a portabilidade do entretenimento. Com smartphones, tempos como transporte para o trabalho, salas de espera, filas e demais situações até então ociosas podem assim serem melhor preenchidas.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é meme-cumpadi.jpg
Dá um vazio. (Fonte: Montagem/Reprodução)

A opção de baixar para assistir a conteúdos enquanto se estiver fora de uma zona de wi-fi certamente tem a sua parcela nessa crescente constatação. Outra questão que ajuda, embora pareça óbvia para os mais novos, é o fato de que acessar seriados e afins de maneira digital é uma praticidade como nunca antes experimentada para se entreter “na hora que quiser”.

Assim, do metrô lotado, passando pelo porteiro entendiado, até chegar naquela sua aba de navegador marotamente minimizada aí no trabalho, todo mundo está, de alguma maneira, passando mais tempo em seu seriado do momento.