José Padilha (Fonte: Reprodução)
José Padilha (Fonte: Reprodução)

José Padilha, criador de O Mecanismo, comentou recentemente a polêmica envolvendo o Ministro Sergio Moro. Na série original da Netflix, que romantiza os acontecimentos da operação Lava-Jato, o ex-juiz federal é representado como Paulo Rigo, por Otto Jr.

Recentemente, áudios comprometedores de Moro foram divulgados pelo
The Intercept Brasil. Moro teria dado instruções à Procuradoria, antecipando decisões e sugerindo mudanças nas fases de investigação. Segundo a BBC News, juristas confirmaram que a atitude do então juiz foi contra o Código de Processo Penal, a Lei Orgânica da Magistratura e a Constituição Federal.

Perguntado sobre como as revelações poderiam afetar o futuro da série, mesmo que uma 3ª temporada ainda não tenha sido confirmada, Padilha se mostrou insatisfeito com as atitudes de Moro para a BBC News Brasil.

“O Mecanismo mostra, não via mensagens de celular, mas via reuniões entre os membros da Lava Jato, que Moro, a PF e os procuradores tinham uma relação muito íntima e que debatiam, sim, a melhor maneira de encaminhar as acusações contra os réus. Isto está explícito na primeira e na segunda temporadas”, disse o diretor.

“A diferença é que nas nossas cenas, a iniciativa nunca era de Moro. Era sempre dos procuradores. Agora, parece que Moro tomou a iniciativa de ajudar a acusação… Uma atitude antiética e claramente estúpida. Primeiro, porque juízes precisam ser neutros. Segundo, porque as evidências eram muito claras. Ao se arvorar para além das suas funções, Moro pode terminar soltando políticos que, claramente, depenaram o país em conluio com grandes bancos e construtoras”.