Game of Thrones (Fonte: Reprodução)
Game of Thrones (Fonte: Reprodução)

Decerto, o 5º episódio da 8ª temporada de Game of Thrones foi um marco para os fãs. Mas nem todos ficaram felizes com os acontecimentos. Enquanto parte do público foi reclamar muito no Twitter, outra parte só quis saber da zoeira!

Mas independente da série estar agradando ou não, é fato que houveram bons e maus momentos no último episódio. Portanto, fizemos uma lista para lembrarmos de tudo o que aconteceu e analisar os grandes momentos deste domingo (12).

Acordando o dragão

Um dos pontos que mais gerou discórdia entre os fãs foi a atitude de Daenerys Targaryen (Emilia Clarke). Gostando ou não do que a Mãe dos Dragões fez com Porto Real, há de se exaltar um momento inédito na série. Durante a apresentação das cenas anteriores, hábito desta e de mais outras tantas séries, havia uma diferença crucial. Ao mostrar Dany se impactando com a morte de Missandei (Nathalie Emmanuel), podemos ouvir o que se passava pela cabeça da Targaryen. De Olenna Tyrell (Diana Rigg) com “Seja um dragão” até Vyseris Targaryen (Harry Lloyd) com “Você não quer despertar o dragão”, essa foi uma jogada de ouro de Game of Thrones.

A execução de Varys

Lorde Varys (Conleth Hill) encontrou seu fim em um dos momentos mais incríveis do episódio. Nunca traindo suas convicções, a Aranha foi pega fazendo o que melhor sabia fazer: conspirar. A traição para com Daenerys o levou a morrer queimado por Drogon na calada da noite. A cena é bem construída, com o dragão surgindo da escuridão para surpreender o público. O Mestre dos Sussurros partiu de forma análoga a sua nêmesis, Petyr Baelish (Aidan Gillen). Porém, com muito mais elegância que Mindinho. Enquanto o antigo Mestre da Moeda morreu aos prantos, implorando de joelhos, Varys manteve sua dignidade, indo de encontro ao que sabia ser seus momentos finais.

Jon rejeita Daenerys

Talvez caiba aos fãs decidirem por conta própria se Jon Snow (Kit Harington) rejeitar uma relação com Daenerys é algo bom ou ruim. Todavia, o momento é crucial para a trama do episódio. Dany se encontra em um momento de luto, enquanto vê todos seus aliados morrendo ou lhe virando as costas. Absorta em uma dúvida digna de O Príncipe de Maquiavel, a Mãe dos Dragões decide a partir da rejeição de Jon que deverá explorar mais o medo do que o amor dos westerosi. Por um lado, a Casa Targaryen nunca teve problemas com incesto. Por outro, Jon cresceu como Stark, e descobriu que ela é tia dele!

Tyrion salva Jaime

Os Lannister são responsáveis por grande parte das melhores cenas dramáticas desse episódio. Jaime (Nikolaj Coster-Waldau) se vê novamente como prisioneiro, assim como foi quando Robb Stark (Richard Madden) o capturou em batalha. Mas dessa vez, Tyrion (Peter Dinklage) estava lá para salvar o irmão. Decerto, um Lannister sempre paga suas dívidas! O Mão da Rainha já havia sido solto pelo irmão em situação semelhante, o que culminou na morte de Tywin (Charles Dance). Em uma cena emocionante, em que o anão agradece ao irmão por ter sido o único familiar que nunca o viu como um monstro, a atuação dos atores é algo para se enaltecer tanto quanto o arco de suas personagens ao longo da série. Contudo, essa atitude pode acabar com a morte de Tyrion, já que Daenerys deixou bem claro que não deixaria passar outra traição de seu conselheiro.

A diferença que faz um dragão

Finalmente vimos do que um dragão é capaz. A quase onipotência de Drogon é responsável por momentos bons e ruins. Certamente vê-lo destruir a Frota de Ferro de Euron Greyjoy (Joahn Phillip Asbæk), as balistas ao redor de Porto Real e até mesmo a Fortaleza Vermelha com a dificuldade que uma faca quente tem de cortar manteiga é um deleite visual. Ao mesmo tempo, não pudemos ver a Companhia Dourada em ação. De nada serviram os 20 mil mercenários que Cersei Lannister (Lena Headey) mandou trazer de Essos. Entretanto, o show já havia mostrado com a morte de Ned Stark (Sean Bean) que nenhuma expectativa é para ser levada a sério em Game of Thrones. O Rei da Noite (Vladimir Furdik) que o diga!

A estranha morte de Euron

Esse definitivamente é um dos pontos mais fracos deste episódio. Euron sobrevive ao ataque devastador de Daernerys e Drogon, somente para aparecer saindo do mar no local e momento exato em que Jaime está passando pela praia. O Greyjoy força um duelo com o Lannister e, depois de dar um bom trabalho para o irmão da rainha, morre empalado. Provavelmente sua morte acontecer após ver seu navio, Silêncio, ser destruído, seria mais impactante. Além de mais condizente. Como devoto do Deus Afogado, o que mais poético que morrer no mar? Mas ao invés disso, Euron participa de um duelo desnecessário, que por mais que tenha terminado com um ótimo momento final do pirata, que declama ser “o homem que matou Jaime Lannister”, não fez diferença nenhuma para o Regicida ou qualquer outro ponto da trama. Jaime nem ao menos morreu de seus ferimentos. Minutos desperdiçados.

A destruição de Porto Real

Se Daenerys estava certa ou não ao ignorar o toque dos sinos após o exército Lannister se render, ainda será muito discutido pelos fãs. Mas não há como negar que, plasticamente, foi um dos momentos mais impactantes de todo o seriado. A cidade em chamas foi tão bem aproveitada pelos produtores que até pudemos ver o restante do Fogo Vivo que estava escondido e espalhado pela capital (provavelmente desde a época do Rei Louco, se não antes) explodindo conforme a cidade ia virando ruínas. O clima claustrofóbico, muito bem colocado pelo ponto de vista de Arya Stark (Maisie Williams) teve um pesado e melancólico ar das filmagens do atentado de 11 de setembro de 2001 às Torres Gêmeas de Nova Iorque. Decerto nem todo mundo conseguiu dormir após este episódio com cenas tão cruéis.

Cleganebowl

Um dos momentos mais aguardados pelos fãs aconteceu. Cleganebowl, o duelo entre os irmãos Sandor (Rory McCann) e Gregor (Hafthór Július Björnsson) foi outro momento poético do episódio. O Cão de Caça e a Montanha que Cavalga estavam tão obstinados a lutar um contra o outro, que Sandor vai até o irmão mesmo sabendo que sua morte será certa, e Gregor desobedece sua rainha, matando Qyburn (Anton Lesser) com dois balançares de braço. O Cão até deixa Cersei passar ilesa, mostrando que não está nem aí para a guerra. Após um duelo violento que parecia ter uma vitória certa de Montanha, que nos fez lembrar dos momentos finais de Darth Vader quando perde o seu capacete, Sandor se joga contra a parede em um empurrão que leva ele e o irmão para suas mortes. Dessa forma, o Cão de Caça encerra seu arco se vingando prontamente do irmão mais velho, o empurrando para o fogo como o mesmo havia feito com ele na infância.

Juntos até o fim

De fato, é triste acompanhar a jornada de altos e baixos de Jaime para vê-lo retornar mais uma vez até Cersei. Mas se algum momento de Game of Thrones pode ser chamado de Shakespeariano, é este. Os irmãos gêmeos deixaram o mundo da mesma forma que vieram: juntos. Após uma tentativa falha de fuga, os Lannister encontraram seu fim. Sem profecia de Valonqar. Apenas escombros caindo sobre eles. Aquilo que ambos lutaram tanto outrora para proteger, acabou por esmagá-los. Se isso não é poesia, o que mais seria?

Arya e o cavalo

” Vi então o céu aberto e aparecer um cavalo branco montado por alguém que se chamava Fiel e Verdadeiro – aquele que julga e combate com justiça”.


Apocalipse 19:11.

Se o que vimos neste domingo (12) não pode ser considerado o fim do mundo, o que pode ser? Enquanto todos olhavam para a ameaça vinda do Norte, poucos viram a ameaça vinda do Leste. O momento em que Arya convenientemente encontra um cavalo para tirá-la dali, depois de quase morrer algumas vezes, é provavelmente uma referência à Bíblia. Assim, se pudermos encarar isto como um sinal, a continuação das visões proféticas do Apóstolo João sugerem que Arya dará um fim ao reinado de Daenerys.

A visão de Daenerys na Casa dos Imortais

Quando Daenerys vai atrás de seus dragões sequestrados em Qarth, na Casa dos Imortais, a garota tem algumas visões. Uma delas, e talvez a mais significativa, é a sala do trono. Completamente destruída e coberta por neve. Certamente Dany tomou um caminho que possibilitou a visão virar realidade. O massacre promovido pela Mãe dos Dragões será o assunto principal do season finale de Game of Thrones. E tudo pode acontecer.