Ninguém Tá Olhando. (Fonte: Netflix)
Ninguém Tá Olhando. (Fonte: Netflix)

Comédias costumam ser uma boa maneira de abordar questões éticas. Não é de hoje que vemos obras dessas temática usarem de frases fortes para provar um ponto que, apresentados dessa maneira, mostram o quando a situação citada é absurda, ou mostrarem situações que irão te fazer analisar o ocorrido. Esse é o objetivo de Ninguém Tá Olhando, nova série brasileira da Netflix que estreia essa semana.

Encabeçada por um time de comediantes, a produção apresenta uma visão diferente de anjos, ali chamados de Angelus, criados para acompanhar humanos, que são escolhidos e designados por um chefe misterioso. Todos possuem quatro regras básicas para esse trabalho. Uli (Victor Lamoglia), o último Angelus criado, questiona desde o princípio sua existência e as regras- das quais quebra todas-, e aponta pontos interessantes que servem como uma crítica à sociedade.

Através da visão inocente do protagonista, vemos momentos simples serem transformados em filosofias acerca de tabus, que são amplamente discutidos com a ajuda de seus supervisores Greta (Júlia Rabello) e Chun (Danilo de Moura), que servem como contrapontos para a trama, sempre batendo de frente com a opinião de Uli e tentando justificar a maneira como as coisas são feitas. Até que, eventualmente, são contaminados pela liberdade que Uli prega e saem em missões separadas.

Ninguém Tá Olhando. (Fonte: Netflix)

É nesse momento que a série se torna um pouco entediante, com as missões solo de cada Angelus em busca de seus prazeres pessoais sendo mais prolongadas do que deveriam e deixando as situações pendendo mais para o chato do que para o divertido. Felizmente, o ritmo retorna ao longo da temporada e Ninguém Tá Olhando consegue agradar novamente.

Com um humor ácido, Ninguém Tá Olhando dá pequenas alfinetadas enquanto entretêm e diverte sem dificuldades. Com criação e direção de Daniel Rezende, que já mostrou seu talento em outras séries do gênero, a trama se junta à ótimas atuações e entrega uma produção que promete agradar.