Linda Cardellini como Judy Hale e Christina Applegate como Jen Harding em Disque Amiga Para Matar (Fonte: Reprodução)
Linda Cardellini como Judy Hale e Christina Applegate como Jen Harding em Disque Amiga Para Matar (Fonte: Reprodução)

Disque Amiga Para Matar é a nova série da Netflix. Uma mistura bem acertada entre o drama e a comédia, o seriado aposta em Linda Cardellini e Christina Applegate para guiar a trama. Decerto, uma escolha bem feita.

A primeira temporada da série é curta. Porém, precisa. O clima de luto que permeia os primeiros episódios vai se esvaindo ao poucos. Dessa forma, seu aspecto de dramédia acaba por ser quase que heterogêneo. A série vai do drama para a comédia, mesmo que nunca chegue no pastelão.

A trama é interessante. Mas talvez não o suficiente para engajar um público que a destaque. Dentro dos moldes que o programa se propõe, Boneca Russa se mostra como algo próximo. Ambas se propõe em poucos episódios com menos de meia hora. Contudo, a série estrelada por Natasha Lyonne tem um fim satisfatório. Disque Amiga Para Matar, uma péssima tradução de Dead To Me, procura uma continuação.

Nem por isso, seu final não é satisfatório. Sua proposta de continuação deve trazer as personagens principais não só em “pé de igualdade”, mas também retomar o aspecto da primeira temporada, tratando de um drama que aos poucos vai ficando cômico. O programa é muito bem vindo para o catálogo da Netflix, e sua segunda temporada também será.