A Netflix gastará US$ 500 milhões em novos conteúdos britânicos em 2020. Essa é uma tentativa adicional de combater a concorrência dos futuros serviços de streaming. O mercado se prepara para a chegada da Disney+, HBO Max e Apple TV+.

O acordo

Falando na conferência da Royal Television Society, o diretor executivo da Netflix, Reed Hastings, disse que o Reino Unido desempenhará um papel importante no futuro da empresa. Decerto, séries produzidas no Reino Unido já alcançaram o sucesso no catálogo do streaming. Incluindo The Crown, Black Mirror e Sex Education.

Juntamente com a aquisição da Shepperton Studios, onde a maioria do conteúdo da Netflix no Reino Unido acabará sendo filmada, a empresa está investindo meio bilhão no orçamento de produção da Netflix. Assim, se tornará o mercado com o segundo maior orçamento anual depois dos EUA. Assim relata o Independent.

Shepperton Studios

Nos arredores de Londres, a Shepperton Studios é um complexo de 14 estágios onde foram filmados longas-metragem como Mamma Mia: Lá Vamos Nós de Novo! e O Retorno de Mary Poppins. Os 14 palcos existentes foram assumidos pela Netflix em um acordo de 4 bilhões de dólares. O Pinewood Group, que é dono da Shepperton, deve adicionar 16 palcos ao Shepperton.

Conteúdo original

Hastings também sugeriu que a Netflix continuará atraindo o público, assinando acordos lucrativos de “algemas de ouro” com os principais talentos, que produzirão conteúdo exclusivamente para o serviço.

A Netflix já havia assinado acordos de produção com produtores renomados dos EUA. Incluindo Ryan Murphy, Shonda Rhimes e Ava DuVernay, Mike Flanagan, Patty Jenkins e os criadores de Game of Thrones, David Benioff e D.B. Weiss.

A Netflix está se preparando para uma onda de serviços rivais nos próximos seis meses. Os novos streamings prometem fomentar o mercado com séries originais e retirando conteúdo próprio do catálogo da Netflix.