Uma das grandes surpresas de Era uma Vez em… Hollywood foi que Quentin Tarantino conseguiu fazer seu terceiro western (depois de Django Livre e Os Oito Odiados) com seu remake retro-contemporâneo da série de TV dos anos 60, Lancer. Só que ele originalmente tinha algo muito mais subversivo em mente para o Rick Dalton de Leonardo DiCaprio como um convidado que interpreta um pistoleiro de aparência hippie. Assim relata o IndieWire.

Recriando o western

“Foi filmado como um longa-metragem e Quentin sabia muito bem disso”, disse o editor Fred Raskin. “Porque no início do roteiro e do design do filme, quando você é apresentado a Lancer, você não sabe o que está assistindo. Em um certo ponto, nós cortamos para este universo de velho-oeste e houve esta desorientação de, ‘espere um minuto, onde estamos agora?’ E enquanto editávamos o filme e o moldávamos e refinávamos, era um elemento que acabou tendo ir embora”.

Mas o conceito de ir nos bastidores de uma filmagem real permaneceu o mesmo. Isso acontece quando Dalton de repente esquece sua fala durante a primeira cena. O feitiço é quebrado com a intrusão do mundo fora da câmera.

“O departamento editorial e de mixagem de som fez algo realmente interessante”, acrescentou Raskin. “Você está totalmente no mundo dessa cena enquanto ela está passando. Você está ouvindo o ventilador e ouvindo o ar do lado de fora com os cavalos e tudo mais”.

“E então a música para. E Rick diz: ‘Fala’. Todo o ar sai da cena. Em seguida, ele volta a estar em um set de Hollywood. E isso é todo o som que vem com a fala sendo repassada a ele de fora da câmera. Então voltamos a fazer a cena novamente e os efeitos sonoros do show, o universo velho-oeste, todos voltam novamente”.

Fotografia

Para o diretor de fotografia, Robert Richardson, filmar Lancer em uma Kodak 35mm com câmeras e lentes Panavision (incluindo a nova Série T para obter foco em até dois pés) foi uma oportunidade para atender a sofisticada visão retro-contemporânea de Tarantino: colorido, empoeirado, e afiada.

A câmera se move habilmente ao redor do salão, estabelecendo a arrogância do personagem de Rick, Caleb, com lindos feixes de luz vindo pelo salão. E quando Caleb se senta para tomar uma bebida com Johnny Madrid (interpretado por Timothy Olyphant como James Stacy), percebemos que Rick é um ótimo ator.

“Certamente, no que diz respeito à produção cinematográfica, foi um destaque”, disse Richardson. “O conceito de ver por trás da cortina, a magia, a verdadeira criação de O Mágico de Oz… Foi especial para este filme. E a simplicidade e a graça que Quentin alcançou foram surpreendentes e únicas”

Mas igualmente divertido para Richardson foi filmar Rick pirando em seu trailer depois de esquecer suas falas por causa de seu vício em álcool.

“Para mim, essa foi uma das grandes cenas do filme. Porque isso fala muito sobre o novo e o antigo. Então, quando ele volta a filmar Lancer, ele tem um desempenho brilhante e parece fantástico”, disse ele.

Arquitetura

Para a designer de produção, Barbara Ling, Lancer foi uma oportunidade para refazer o antigo backlot da Universal Studios na Western Street.

“Lancer era único porque tinha uma mistura de design velho-oeste/espanhol com pedaços de construções de adobe e, em seguida, as construções de madeira típicas do velho-oeste dentro dele”, disse ela. “O que eu fiz foi trazer isso de volta. Eu adicionei adobe às edificações que funcionavam entre as fachadas de madeira”.

“O mesmo dentro do bar. Você tinha esse espanhol misturado com o velho-oeste. Você tinha algumas bobinas de ferro na escada que davam um pouco daquela sensação espanhola, ao invés de apenas um faroeste no Arizona ou Nevada com estacas retas. E tem dinheiro. Esta era uma cidade rica em gado e os edifícios são de dois e três andares. Não é Deadwood“.

A importância de Lancer

Com Lancer, temos a oportunidade ímpar de ver Rick se apresentar depois de passar 40 minutos com a personagem consumida pela insegurança e pelo narcisismo.

“E é um testemunho da performance de Leonardo DiCaprio. Ele está interpretando Rick que está está interpretando Caleb”, disse Raskin. “Uma das coisas que eu realmente amo sobre este filme é que você realmente consegue ver isso acontecer”.

Isso culmina com a estranha e tocante aprovação que Rick recebe de sua precoce co-estrela em Lancer, Trudi (Julia Butters), de oito anos de idade, sussurrando em seu ouvido que ele alcançou o melhor desempenho que ela já viu.

“Eu acho que ela representa, em certa medida, a voz de Quentin”, disse Raskin. “Ela fala sobre atores e age da maneira que Quentin pensa sobre isso e como você deve levar a sério. E acho que o público também ficou impressionado com Rick. Estamos orgulhosos dele”.